Hlane National Park: Safari na Suazilândia

Hlane Royal National Park Suazilândia

O Hlane Royal National Park é um dos lugares mais populares para fazer safari na Suazilândia. Não é à toa: imagine um lugar onde o rugido de leões é um dos poucos barulhos que se escuta à noite, e a falta de luz elétrica te mostra mais estrelas do que você já viu na vida! Tudo isso em um país pequeno, fácil de explorar, e que recebe os turistas com o maior carinho...

Ainda pouco conhecido dos brasileiros, o parque recebe muitos turistas europeus, principalmente holandeses. Como se localiza a cerca de 2 horas dirigindo do sul do Kruger Park, é possível incluir o Hlane em uma viagem pela África do Sul. E de quebra você ainda ganha mais um carimbo no seu passaporte! 

Nest post, você vai encontrar informações para planejar uma visita ao Hlane e conhecer melhor as atrações do parque!


Hlane Royal National Park

É um parque nacional, criado em 1967, por ordem do rei Sobhuza II. Foi o segundo parque nacional criado no país, depois do Milwane Wildlife Sanctuary, criado em 1961. Costumava ser uma reserva de caça da família real e seu nome significa "Região Selvagem" na língua suazi.
Hlane National Park Suazilândia
Impalas

Além do tradicional safari em Land Rover, o parque oferece atividades como observação de pássaros, Mountain Bike, trilhas com camping no Ehlatsini Bush Trail e passeios na área de rinocerontes, com possibilidade de se aproximar deles. Outro passeio é uma vila cultural, em que as famílias vivem em construções típicas e mostram os costumes antigos da Suazilândia.

O safari no Hlane


Hlane National Park Suazilândia

A principal atração no Hlane é o safari, feito em uma Land Rover aberta. Fizemos o morning drive que parte às 5 da manhã, antes do nascer do sol. Nosso guia nos levou primeiro à área do parque mais provável de avistarmos leões. E logo vimos um grupo descansando na estrada.


Hlane National Park Suazilândia

Como eles caçam durante a noite e no comecinho da manhã, eles estavam super sonolentos. Mas atrapalhamos a soneca deles! Ao nos aproximarmos, eles foram, um a um, voltando para a mata. Ficamos um tempo observando e fotografando e depois continuamos a explorar outras áreas.

Hlane National Park Suazilândia

Seguimos para uma área com muitas aves e tomamos nosso café da manhã em um abrigo. Nosso guia serviu café e muffins. Com o friozinho que fazia de manhã, caiu super bem!
Depois do café, fomos para a área de rinocerontes. Um deles começou a vir na direção de nosso carro, então tivemos até que nos afastar.

Hlane National Park Suazilândia

Comparado ao Kruger, o Hlane é um parque muito menor, então não chega nem perto da quantidade ou diversidade de animais. No entanto, é mais fácil pra ver algumas espécies como leões e rinocerontes, já que eles ficam separados por área.
Eu estava curiosa para saber a razão disso, e fiquei pensando se isso não iria interferir na cadeia alimentar. Por isso perguntei ao nosso guia, que nos contou que era para facilitar o monitoramento dos rinocerontes, já que na África, há um problema sério com caça desses animais (rhino poaching).
Hlane National Park Suazilândia
Instrumentos usados por caçadores

O chifre dele vale muito e é usado na medicina alternativa, por isso, muitos rinocerontes são capturados, tem seus chifres cortados e às vezes são largados à morte. Na entrada do parque, há até um muro construído com material que caçadores usam para fazer o "poaching" e embora o parque tenha feito um ótimo trabalho na proteção a estes animais, o desafio ainda é grande!
Além do safári oferecido pelo parque (cerca de R$172,00 por adulto - criança paga metade), também é possível fazer self-drive, mas só em algumas áreas. Por exemplo: na área de leões, só com os guias.

Hlane National Park Suazilândia
Wildbeest ou Gnu

Ndlovu Camp

Há duas opções de acomodação no Hlane: o Ndlovu e o Bhubesi. Pela descrição no site, escolhemos ficar no Ndlovu, que tem melhor infraestrutura.
Há algumas casas com cozinha e "rondavels", bangalôs que acomodam até 2 pessoas. Como não havia mais casas disponíveis, tivemos que reservar 2 bangalôs, porque no Nodlovu há somente uma cama extra e esta já tinha sido reservada por outra família.

Hlane National Park Suazilândia
Rondavels, ou bangalôs

Apesar de não ter energia elétrica (o que eu amei, pra falar a verdade), os bangalôs são confortáveis: têm 2 camas box, com mosquiteiros e o chuveiro tem água aquecida (usam aquecedor à gas). À tardezinha, uma funcionária passava acendendo as lamparinas e também havia velas e fósforos no quarto.

Hlane National Park Suazilândia
Nosso quarto!

Cada bangalô custou cerca de R$200,00 por noite, apenas acomodação. O café da manhã era self-service e pago à parte. Acabamos optando por comprar algumas coisas no mercado da cidade mais próxima para tomar café da manhã no chalé mesmo.

Hlane National Park Suazilândia
Veja aqui os preços do Booking para suas datas.

Uma das coisas mais bacanas no Ndlovu Camp é que há uma lagoa e, no final da tarde, os animais aparecem para tomar água. Eu cheguei a contar 7 rinocerontes de uma só vez. Isso sem falar dos hipopótamos que praticamente moram lá! Para segurança dos hospedes, há uma cerca separando o acampamento da lagoa.

Hlane National Park Suazilândia
Hipopótamos

Há varias poltronas de madeira, super confortáveis e o lugar é lindo para ver o por do sol. Muitos aproveitavam o final de tarde para ficar lá de boa, lendo ou até tomando uma cerveja!

Hlane National Park Suazilândia
Rinocerontes

Toda a área do Ndlovu é cercada, mas as impalas, que não oferecem perigo, circulam por lá e até rodeiam os bangalôs.

Fomos até o Bubhesi Camp para conhecer, e eu achei bem desolado. O Bhubesi tem energia elétrica, mas no local há apenas casas. Acho que é bacana só pra quem vai com turma grande.

Hlane National Park Suazilândia
Bhubesi Camp

Recomendo mesmo se hospedar no Ndlovu, que tem um restaurante, espaço para churrasco e até uma loja. Mas não há mercado. Se por acaso quiser cozinhar alguma coisa, é preciso comprar na cidade mais próxima. Nós passamos em Simunye e fizemos algumas comprinhas no mercado.

Restaurante

O jantar custou 175 rands por pessoa (aproximadamente R$44,00). Era no esquema de buffet e a comida era muito saborosa! Provamos Bobotie, sopa de cogumelos (divina!) e carne de caça.
O café da manhã era pago à parte, no sistema de self-service e custava 120 emalangenis por pessoa., cerca de R$ 30,00 (eles também aceitam rands, que vale o mesmo que o dinheiro local).
Hlane National Park Suazilândia
Ndlovu Camp - Restaurante
Mais informações sobre o parque, você encontra no site oficial


Quando ir?

Nós fomos no mês de julho. Assim como no Kruger Park, na África do Sul, a estação seca (no inverno, de junho a setembro) é a melhor época para ver animais. No verão a vegetação fica mais verde e bonita, mas há risco de chuva e aumenta o risco de malária (que é pequeno, mesmo durante as chuvas).

Planeje sua viagem

Se você gosta de nossas dicas e acompanha o blog, que tal fazer as reservas de sua próxima viagem através de nossos parceiros? Você não paga nada a mais e nós ganhamos uma pequena comissão! É só seguir os links:
Reserve seu hotel pelo Booking

Gostou do post? Salve no Pinterest!

Já está nos seguindo?

Fique por dentro de todas as postagens, acompanhando nossas redes sociais: FACEBOOKINSTAGRAMPINTEREST, GOOGLE + e TWITTER. Assine também nosso FEED! Assim, você não perde nenhuma novidade!

7 comentários

  1. Lili que vontade desse céu estrelado. Imagino como deve ser um lugar incrível. Também achei que os valores são bons, não? Ando com vontade de África e seu post só me deixou com mais vontade ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poli: vá pra África do Sul e inclua a Suazilândia! Indico sem medo! =D

      Excluir
  2. Lili, eu acho muito legal esse tipo de passeio mas queria saber se não dá um certo medinho. Uma noite estrelada e ver animais desse porte de tão perto deve dar uma emoção fora de série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lilian, o curioso é que a primeira vez que ouvi o rugido, uma impala passou correndo perto do nosso bangalô... Mas eles ficam cercados à quilometros de distância, então é tranquilo! Bjs

      Excluir
  3. Achei os preços tão bons. Também fizemos um Safari na África, mas em Cape Town, nem se compara o tamanho dos parques. A dica de ir na seca para ver mais animais é ótima. Nós vimos muita vegetação e poucos animais. Provavelmente porque fomos em fevereiro né? Ótimas dicas. Vontade de ir...

    ResponderExcluir
  4. Jumanji do céu!!!!! Sem energia elétrica? Ah nao, acho lindo, mas , vou acompanhar essa vida natureba dos seus posts mesmo viu...hahahaha, sem contar o medo do rugido dos leoes, panico na certa.... Cada um no seu limite! hahahaha

    ResponderExcluir
  5. Amei este post! Lili, que lugar esplêndido. Ver os animais tão de perto deve ser realmente muito legal. E gostei muito da experiência do bangalô, sem energia, mas com chuveiro aquecido, o que garante conforto. E as lamparinas à noite devem dar um toque. Sem contar ver o céu estrelado. É uma viagem para não esquecer!

    ResponderExcluir

Queremos saber sua opinião! Deixe um comentário!!!

Trilhas e Cantos. Tecnologia do Blogger.
Topo