Delfinópolis, MG: roteiro de 3 dias

Delfinópolis, na região da Serra da Canastra em Minas Gerais, é um verdadeiro paraíso para o ecoturismo! A natureza foi bem generosa com este lugar e, além de paisagens rurais de rara beleza, o município tem bem mais de 100 cachoeiras catalogadas, muitas delas próximas ao centro. Gente! Foi cada banho gelado inesquecível!

À noite, as poucas opções de restaurante ficam cheias nos feriados. A vibe é boa e você vai encontrar muitas pessoas que conheceu no meio das trilhas. Mas é uma cidade que dorme cedo e convida ao descanso. Durante o dia, o melhor programa é fazer uma trilha e tomar um banho de cachoeira, ou ainda se aventurar na área rural.
Estivemos em Delfinópolis no último Carnaval (2017) e neste post vou contar um pouquinho do que fizemos lá nestes 3 dias!

Veja também nossos posts sobre a Serra da Canastra

1) Complexo do Claro

Como chegamos após o almoço no primeiro dia, escolhemos fazer um complexo de cachoeiras mais próximo à cidade e com trilha mais fácil. 
Cachoeira da Paz

As Cachoeiras do Claro ficam a 6 km do centro da cidade e a trilha toda tem cerca de 800 m. Este complexo tem 5 cachoeiras, sendo as nossas favoritas as da Gruta e da Paz. A cachoeira mais distante do início da trilha é a Cidade de Pedras. Não chegamos até esta. Paramos na Gruta e tomamos um belo banho por lá mesmo! A cachoeira leva este nome porque forma uma espécie de gruta atrás da queda de água e dá para entrar, passando por baixo da ducha!
Cachoeira da Gruta

No local, tem um camping e pousada. Para visitantes é cobrada uma taxa de 20 reais e crianças não pagam.

2) Cachoeiras do Paraíso


Prepare a canela! (kkk). A trilha para algumas cachoeiras pode ser bem chatinha, com pedras, o que exige bastante cuidado! A Cachoeira mais distante é a do Triângulo (no início da trilha marcava 3800 metros). 
Na trilha
No total são 8 cachoeiras e não é fácil chegar a todas, pois as trilhas ficam meio "espalhadas". As de mais fácil acesso são a Paraíso I e II (cerca de apenas 300 metros de caminhada). Já no início da trilha há uma ponte. Após a travessia, caminhamos um tempinho em meio à vegetação típica do cerrado. 
Sempre viva - flor típica e rara do cerrado


Passamos pelas cachoeiras de SofazinhoCoqueirinhosLambarisBorboletas e escolhemos descer e tomar banho na "Vai quem Pode". 
Cachoeiras dos Coqueirinhos e Sofázinho

Achei o nome bem apropriado, pois sofri um pouquinho com as pedras (haja perna comprida...kk). O engraçado é que o Léo (8 anos) tirou de letra a trilha e deu um banho na mãe em termos de agilidade!
Vai quem pode - o poço que se forma tem água transparente!
Enfim, valeu o esforço (que não vai judiar de quem tem bom preparo físico) e tomamos um banho gelado em um lugar maravilhoso! 

Este complexo fica a 7,5 m do centro da cidade e tem um restaurante bem recomendado. Parece uma boa almoçar lá depois das trilhas, mas nós fomos pegos pela chuva no caminho e não tínhamos levado troca de roupa. Assim, preferimos voltar à pousada e almoçar na cidade mesmo. Vale lembrar que no local também tem uma pousada. As taxas de visitação são: 25,00 (adulto) e 10,00 (criança).
No alto da Vai Quem Pode - Abaixo, outra queda de água
À tarde ainda fomos passear pela Praça, com alguns casarões históricos e um café delicioso!

3) Vale da Gurita


Este foi o passeio que mais gostamos! Me apaixonei pelo Vale da Gurita e quase queria ficar morando lá! Neste dia visitamos 2 complexos: Cachoeiras do Ouro (de manhã) e Cachoeiras da Maria Concebida (à tarde).
Vale da Gurita - que lugar lindo!!!
Começamos o dia visitando a Queijaria Vale da Gurita. Um lugar lindo, mas não recomendo ir sem 4x4 se o tempo estiver chuvoso, ou caso tenha chovido no dia anterior! Nós quase atolamos por lá! Mas se a estrada estiver seca, é tranquilo!


Em seguida, visitamos as Cachoeiras do Ouro, depois almoçamos no Restaurante da Doca - comida mineira servida no fogão à lenha (recomendo!!). Após o almoço, tocamos para a Maria Concebida.



Restaurante da Doca

Cachoeiras do Ouro

(33 km do centro de Delfinópolis)

A trilha para as cachoeiras tem apenas alguns trechos mais difíceis, onde há escada e corda para ajudar na subida e descida. O restante do caminho é tranquilo. 


Não chegamos até a última cachoeira porque a trilha não estava bem demarcada e eu achei um pouco escorregadia para descer, então desistimos.


As cachoeiras são lindas e em uma delas havia  um lugar bem propício para uma hidromassagem natural!
Adicionar legenda

Há restaurante e camping no local. A taxa de visitação é R$ 20,00 por adulto.

Maria Concebida 

(22 km do centro de Delfinópolis)
Este complexo tem cachoeiras lindas, além de uma fonte de água morna (quase 30º). 

No início da trilha é preciso atravessar uma "pinguela" meio alta e tinha algumas tábuas soltas. É bom tomar cuidado, principalmente com as crianças!


A última cachoeira da trilha é bem chatinha pra chegar: em alguns trechos é preciso descer pelas pedras segurando uma corda e em um momento tivemos que colocar os pés no rio (ainda bem que meu tênis já estava molhado por causa da chuva no dia anterior..kk). A cachoeira é linda e o lugar é uma paz só... 




Na volta, paramos tomar um banho na fonte de água "quente". Neste local, não há restaurante. A taxa de visitação é de R$ 25,00 por adulto.


Cachoeira Maria Concebida

Enfim, o Vale da Gurita é um lugar único. Ouvimos muitas histórias interessantes! Há poucas décadas ainda havia gente que nascia e morria sem nunca sair do vale e sem saber que existia vida lá fora... 
Os poucos moradores de lá preservam a história e a cultura local. Na semana Santa há uma festa religiosa chamada de Folia das Almas e em meados de dezembro e janeiro, há a tradicional folia de Reis (que também toma as ruas de Delfi). 
Para visitar o Vale da Gurita, caso seja na estação chuvosa, é bem legal estar de 4x4. Se estiver com carro comum, é bom se informar sobre a condição da estrada.

Como chegar:

Aí que fica o nó: para chegar em Delfinopólis, há uma balsa (R$ 20,00 por carro de passeio), ou caminhos alternativos por estrada de terra. O problema com a balsa é que em feriados prolongados, corre-se o risco de ficar horas esperando. Chegamos lá no sábado de manhã e acabamos desistindo e pegando um caminho alternativo de 90 km de terra, que em muitos trechos era só para 4x4! O caminho contornou a represa, passando pela Usina do Peixoto, que é uma alternativa para quem chega de Franca. Mas era carnaval, sabidamente o pior feriado para se viajar, né? (rsrs)

Distâncias:


Campinas, SP: 333 km (4h23)
São Paulo: 421 km

Belo Horizonte: 430 km
Franca: 99 km

Onde comer:

Divino Café: 

Para um café da tarde ou até mesmo algumas opções de jantar! Tem o melhor pão de queijo: recheado e coberto com queijo canastra!

Pizza do Jefferson: 

À noite, é o "point"! Sempre com boa música ao vivo, além de pizza o restaurante oferece massas, batatas recheadas e outras porções.


Sempre Viva: 

Opções deliciosas no cardápio e comida muito boa, além de ambiente pequeno e acolhedor, tipo "bistrô". Almoçamos lá e provamos a lasanha de berinjela, enquanto o Léo escolheu omelete com saladas! 


Restaurantes na área rural: 

Na "roça" também tem muitas opções de restaurantes, como comida servida no fogão a lenha. Vale a pena experimentar o típico almoço mineiro, pelo menos uma vez. Nós gostamos muito do Restaurante da Doca, no Vale da Gurita!

Onde se hospedar:

Nos hospedamos na Pousada Água e Sol, no centro de Delfinópolis. Pousada simples, mas bem acolhedora! O proprietário é mega atencioso e orienta quanto aos passeios e restaurantes. Gostamos das dicas dele! Não errou uma! Reservei de última hora e não tinha mais quarto com ar condicionado, mas não sentimos falta! 
Para ver todas as opções de pousadas e hotéis pelo Booking, siga este link aqui!

 Umas palavrinhas finais...


Não consegui chegar a uma conclusão sobre o número certo de cachoeiras em Delfi... teve uma dona de pousada que falou de 180, outros falaram de 150. Um grupo de pessoas que está gravando um documentário sobre a Serra da Canastra (não vejo a hora de assistir) falaram de 200 em toda a Canastra. E isso porque tem muita cachoeira que não foi catalogada! Enfim, só chego à conclusão que preciso voltar muitas vezes!



Sobre o surto de febre amarela: andou rolando um áudio no whatsapp falando que estava tendo surto de febre amarela em Delfi. Mas já foi desmentido e a polícia procura quem foi o autor deste boato de mal gosto. De qualquer forma, como gostamos muito de visitar lugares na área rural e ecoturismo em Minas, nossa família está vacinada!


Por fim, só tenho a dizer que Delfi me surpreendeu! As fotos não são nem um pouco generosas com este lugar! Vá conhecer pessoalmente!! 



Pronto! Agora é só planejar sua viagem! Se você gosta de nossas dicas e acompanha o blog, que tal fazer as reservas de sua próxima viagem através de nossos parceiros? Você não paga nada a mais e nós ganhamos uma pequena comissão!

 O Trilhas e Cantos tem parceria com o Booking, RentCars (que pesquisa preços em várias locadoras) É só clicar nos banners abaixo:
E se estiver procurando hotel, que tal reservar pelo Booking?

9 comentários

  1. Liliane, que lugar maravilhoso, eu estava louca para ler o post depois que vi suas fotos lindas. Meu filho ia ficar comendo pão de queijo o dia todo depois de gastar energia na caminhada. Uma dúvida, para quem não é atleta, como eu, dá para ir também? Tem trilha-preguiça?
    Beijo, Tati

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Tati!!! Dá pra encarar, sim! Tem algumas cachoeiras com trilhas fáceis e mesmo estas que fomos não exigem um super preparo! Eu mesma anda com um condicionamento "mais ou menos" kkkk
      Tomara que vc vá conhecer em breve!

      Excluir
  2. Realmente e maravilhoso temos uma casa la !!!sempre que tenho um feriado prolongado e la o destino cidade maravilhosa de pessoaa Maravilhosa,passei toda a minha infância nesse lugar meu avô morava aí,realmente foram os melhores dias da minha vida ♡

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post, para quem vem pela primeira vez são os melhores passeios, só não vi fotos da última cachoeira da Maria Concebida que é a mais bonita, vcs conseguiram chegar até ela?Fica acima deste poço que está na foto.
    Vale a pena subir mais um pouco e ver a cachoeira de frente e o poço e ótimo pra quem sabe nadar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, muito obrigada!!
      A última cachoeira que chegamos na Maria Concebida foi esta da foto (acima da foto do poço de "água quente"). Era o final da trilha - acima dela estava proibido passar...

      Excluir
  4. Gostei muito da sua descrição, tem diversos detalhes interessantes para quem deseja conhecer o local.
    Desejo ir em Delfinópolis em breve e você me orientou bastante.
    Parabéns pelo trabalho.

    Esse poço de água quente, a água é quente mesmo?? 🤔
    Tenho um Palio, dá pra ir tranquilo sem chuva?? 🤔
    Você tem o contato ou o nome da pousada que ficaram?? 🤔

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felipe! Obrigada!!!
      Quanto às suas perguntas: a pousada é essa aqui: http://www.pousadaaguaesol.com.br/
      Se não chover, dá pra ir com carro comum, tranquilo.
      O poço é morninho, pra falar a verdade (kkkkk). Mas depois de entrar em tanta água gelada, até parece quente! =D


      Excluir
  5. Ótimo post, pretendo ir em janeiro de 2018. Vou meio de semana para curtir melhor, deve ter menos gente. Tem algum mapa de localização dessas atrações? Centro de Informação para turista com mapas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Áureo! Vimos um centro de informação, mas nunca vi aberto... Nas próprias pousadas você consegue um mapinha e folders sobre as atrações. Boa viagem!

      Excluir

Queremos saber sua opinião! Deixe um comentário!!!

Trilhas e Cantos. Tecnologia do Blogger.
Topo