Grand Canyon: o que saber antes de fazer uma trilha

O Grand Canyon é um paraíso para trilheiros. São vários quilômetros de trilhas descendo até o Rio Colorado. Lá na base, há acampamentos e até um alojamento rústico para dormir e repor as energias!
Grand Canyon
Se não tiver tanto tempo, pode fazer uma day hike: caminhada durante o dia até algum ponto como o plateau, ou Indian Garden. Mas antes de sair andando "na louca" é bom saber de algumas coisinhas sobre o Grand Canyon e suas trilhas!

Pra começar, vamos responder umas perguntinhas básicas: como está seu preparo físico? Fugiu da academia? Então volte, senão... nem com "reza brava"!! Não precisa ser maratonista, mas é preciso ter bom preparo, pois são trilhas que exigem dos seus músculos para a descida, e do seu coração e pulmões na subida! Mas não quero desencorajar ninguém, não! Leia o post até o final e decida por você mesmo(a)! 

Outra pergunta importante: quanto tempo você tem? Se não puder dormir na base do rio, é melhor escolher algum ponto da trilha e fazer um bate-volta. Mesmo nas trilhas que são de um dia inteiro, é possível fazer parte dela. Ainda que não chegue ao rio, pode ser uma experiência e tanto! Mas quais são as opções?

Principais Trilhas na borda Sul (South Rim)

Bright Angel Trail
Esta é a trilha mais extensa e menos íngreme. São aproximadamente 25 km - ida e volta - ao rio (River Resthouse). E ainda mais um trecho até o acampamento, atravessando o rio, por uma ponte. Além da distância, é bom considerar o desnível: você descerá (e subirá depois!!) de aproximadamente 2100 m a 750 m.
Grand Canyon
No caminho para o Rio, se encontra o Indian Garden - um oásis, com árvores e água corrente, além de água potável. Há um riacho - Bright Angel Creek - que permitiu crescer um bosque à sua volta. Recomenda-se este ponto como a máxima distancia a ir e voltar em um mesmo dia (day hike). Do início da trilha até lá são 7,2 km. 
O início da trilha fica bem em frente ao Bright Angel Lodge. Neste local, há estacionamento e ponto de ônibus.
Grand Canyon
Lá embaixo, dá pra ver uma trilha, que vai até o Plateau,
e aquele agrupamento de árvores é o Indian Garden

South Kaibab 
é uma trilha mais curta e mais íngreme. Sua entrada é na Ýaki Point Road, acessada pela Desert View Drive. É bom saber que os veículos particulares só chegam à Desert View Drive. Na Yaki Point Road circulam apenas os ônibus do shuttle gratuito. Do início da trilha até o rio, são aproximadamente 10 km. Mas aí ainda há uma "pernadinha" até o acampamento (Bright Angel Campground), que fica do outro lado do rio.

Bom saber...
* Em ambas as trilhas, há banheiros e água potável em vários pontos.
* O ponto final das duas trilhas é o Bright Angel Campground.
- abaixo, uma foto do mapa das trilhas (este material pode ser obtido no BackCountry Information Office)
Além destas trilhas, há a North Kaibab Trailhead que fica na entrada norte do parque (aberta de maio a outubro)  - esta é mais extensa e difícil, descendo de 2500 m para 750 m.

Campings

Indian Garden Campground (na trilha Bright Angel): uma opção para quem tem bom preparo e consegue descer até o rio pela manhã e fazer o retorno à tarde, passando a noite neste acampamento.
INDIAN GARDEN (IMAGEM https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Grand_Canyon_National_Park_Indian_Garden_CG.jpg
Bright Angel Campground (ao final das 2 trilhas no lado sul)
Phantom Ranch - além de área de camping, no Phantom Ranch há quartos compartilhados - femininos e masculinos e chalés que acomodam de 2 a 10 pessoas (reservar pelo site da Xanterra). 

Permissão para acampar

É recomendado pedir permissão com 3 meses de antecedência. Caso não tenha conseguido a permissão pelo site, pode tentar um last minute permit ou permissão de última hora, no BackCountry Office. Tem um formulário para preencher e ser enviado no site. Veja todas as informações aqui neste site.
Antes de fazer sua trilha, é bom passar lá no Backcountry Office (fica perto do Maswik Lodge) e tirar todas suas dúvidas!


Algumas dicas

Água: para minimizar o peso da mochila, é preciso se informar em que pontos da trilha há água potável para reabastecer sua garrafa (isso pode mudar com as estações do ano)

É possível descer ao rio e subir no mesmo dia. Mas é desaconselhável porque pode ser extenuante. Digamos que seja razoável uma pessoa apta a cumprir uma meia maratona, subir e descer no mesmo dia, fugindo dos horários de pico de calor e descansando neste intervalo. Mas todo ano, pessoas chegam a morrer no parque por não respeitar os limites de sua capacidade física, principalmente nos meses de verão.

tempo que se leva para subir e descer é bem relativo e depende muito do preparo físico. Os tempos estimados no site do parque são, em geral, superestimados para pessoas bem preparadas fisicamente. Por exemplo: no parque, informam que o tempo (ida e volta) até o Plateau Point é de 9 a 12 horas. O Eduardo desceu além do plateau e voltou em 5 horas (saiu do hotel às 5h e voltou às 10h). Creio que eles estimem este tempo, considerando paradas para descanso.

Temperaturas: mesmo no verão, as temperaturas na borda (no alto) chegam a ser agradáveis. Aí você pensa: que bom! Não está calor, vou fazer a trilha de boa!!! Mas o desnível na altitude e as pedras que acumulam calor provocam uma mudança grande e, no verão, pode chegar a temperaturas extremas na trilha.

Como chegar até o início das trilhas:

Carro: há estacionamento apenas próximo à Bright Angel. Na entrada para a South Kaibab não circulam carros.
Hikers Express - shuttle que parte bem cedo do Bright Angel Lodge para o Backcountry Information Center, Visitor Center e depois para a South Kaibab TrailHead. É preciso se informar sobre os horários, pois variam a cada estação.


As recomendações de segurança:

No material informativo do parque, há várias dicas de segurança:
- Não fazer a trilha de ida e volta no mesmo dia
- Evitar caminhar entre as 10h e as 16h, no verão. Por isso, é preciso sair bem cedo, ou até mesmo de madrugada.
- Tome água, mesmo sem sede e coma alimentos com sal (snacks) e calóricos (sugestão do trilheiro da família: barra de proteínas!)
- Se for acampar, não esqueça da lanterna, pois poderá fazer parte da trilha no escuro.
- Não nadar no Rio Colorado - temperaturas baixas e correntes podem ser perigosas.
- Ficar de olho na previsão do tempo - no verão pode haver altas temperaturas e também tempestades. No inverno há perigo de neve e gelo nas trilhas.
- Deixar o itinerário com algum familiar - se estiver sozinho, deixe registrado no hotel a trilha que irá fazer 
- Ficar atento a sinais de desidratação (especialmente no verão) e hipotermia no inverno. Em caso de qualquer sintoma, é recomendado descansar e, dependendo do estado, tomar o caminho de volta!
- As mulas têm preferência na trilha, assim como os trilheiros que estão subindo. Dê passagem!!

Para saber (quase) tudo sobre o Grand Canyon, leia também: Um guia para explorar o lado sul

Enfim...
Se você ainda está lendo, pode ter percebido se fazer uma trilha é um bom programa pra você, ou não! Caso ache uma boa ideia, mas ainda esteja em dúvida, saiba que existem outras opções de passeio até a base do rio. Há passeios de mulas e também existe a opção de descer em grupo, caminhando, com as bagagens carregadas pelas mulas. Na base do rio, existem passeios de canoagem e rafting e há famílias que passam dias acampando por lá!
Desejo muito que se anime a caminhar pelo Grand Canyon! Se tiver alguma dúvida, o marido pesquisou bastante antes de fazer a day hike e pode ajudar com mais informações!
    ________________________________________________________
Procurando hospedagem no Grand Canyon ou em qualquer lugar do mundo? Que tal reservar pelo Booking, nosso parceiro? Você não paga nada a mais, e nós ganhamos uma pequena comissão! Veja as opções clicando no banner abaixo:


_________________________________________________________

Bom, é isso! Continue nos acompanhando! Se gosta de parques nacionais, saiba que depois do Grand Canyon, visitamos o Sequoia National Park, Kings Canyon e Yosemite! Ainda vai ter muito post sobre esta viagem! 
E pra não perder nada, bora seguir o @trilhasecantos no facebookInstagram e através de nosso feed

2 comentários

  1. Realmente a trilha não é para mim kkkkkkk
    Fico feliz de ter optado por conhecer de helicóptero.

    Beijão,
    Fran @ViagensqueSonhamos

    ResponderExcluir
  2. Acho fascinante e queria ter essa disposição toda, mas tenho consciência que essa é uma aventura que não é pra eu viver nesta vida!
    Não tenho condições físicas (e acho que nem emocionais) pra encarar uma trilha dessas - mas que invejo fortemente quem pode apreciar essa jornada... ah isso eu invejo sim!

    ResponderExcluir

Trilhas e Cantos. Tecnologia do Blogger.
Topo