Montreal: o que fazer em 3 dias

Segunda maior cidade francofônica do mundo, Montreal tem prédios modernos que fazem você pensar que está na Avenida Paulista, mas tem um charme de quem conseguiu preservar seu patrimônio e sua história. Este foi nosso primeiro destino no Canadá. Vamos conferir o que dá para fazer por lá em 3 dias? 
Prédios no Plateau Mont Royal - muitos do Século XIX

Plateau Mont Royal

Começamos conhecendo o bairro onde estávamos hospedados, o Plateau Mont Royal. Aliás, achamos um ótimo lugar para ficar. Não é muito cheio pois não há tantas atrações turísticas, mas é um bairro lindo para se conhecer, com destaque para a rua de pedestres (continuação da Prince Arthur Ouest, onde nos hospedamos). Esta via, que já foi um reduto hippie nos anos 60, é cheia de restaurantes e fica bem movimentada nas noites de verão. Ao final dela, se encontra a Square Saint Louis, uma das praças mais lindas de Montreal.
Square Saint Louis, ou Carré Saint Louis
Logo que saímos para caminhar, perguntei a um homem na rua se ele sabia onde ficava a Square Saint Louis. O rapaz fez uma cara de desentendido, e ficou repetindo baixinho:  Square Saint Louis... Square Saint Louis... Até que eu tive a ideia de perguntar em francês (como se eu falasse!!!!): Carré Saint Louis! Ele simulou um lampejo de memória e me explicou onde ficava a bendita!! Este não foi o único episódio em que eu não consegui me comunicar em Inglês. Aí eu fui notando que em Montreal, apesar de sua fama bilingue, as pessoas preferem falar francês. O Inglês é apenas uma segunda língua, que muitos insistem em não falar!!
Square, ou Carré Saint Louis

Parque Mont Royal

Trilhas, verde e o Lago dos Castores
No topo do monte, de onde se tem uma bela vista de Montreal, há uma placa contando que em 1535, Jacques Cartier, (que descobriu o Canadá) subiu aquele monte, guiado pelos indígenas da região. Diz a lenda que Cartier, inebriado pela beleza da vista, deu ao monte o nome de Mont Royal, do qual a cidade de Montreal herdou o nome.
A vista de Montreal, um pouco diferente daquela de Jacques Cartier viu...
Este local era uma fazenda, cuja sede ainda existe, mas foi transformado em parque com várias pistas para a prática de corrida, caminhada e ciclismo, além de pequenos lagos, árvores e muitos esquilos. Para pouparmos nossas energias, tomamos um táxi até a subida do monte e fomos descendo a pé.  
A antiga sede da fazenda. Abaixo: esquilo e Chalé Mont Royal.
De lá, passamos pelo lindo cemitério de Notre-Dame-des-Neiges (isso mesmo, é bonito!!) e tocamos para a imponente igreja Oratório Saint-Joseph du Mont Royal.
O oratório Saint Joseph du Mont Royal
Montreal Canadá
A vista que se tem, no alto das escadarias da Igreja.

Vieux Montreal 

Em que outro lugar do mundo brasileiros podem escutar músicos peruanos tocando "Amigo de Fé" do Roberto Carlos? Mas além dessa atração, existem museus históricos da cidade, restaurantes, e muitos prédios charmosos. Vale uma visita à Basílica Notre-Dame de Montreal, à Prefeitura de Montreal (Hotel de Ville) e ao seu lado, a Place Vauquelin, bem como à Capela Notre-Dame de Bonsecours. Visitamos também o Marché de Bonsecours, mas nos decepcionamos, pois pensamos que seria um mercado gourmet e na verdade era mais uma galeria de lojas. Ainda vou fazer um post detalhando bem mastigadinho, um roteirinho pela cidade antiga. Aguardem!!! Tenham paciência... 
Velha Montreal - em sentido horário: A Capela Notre Dame de Bonsecours, uma casa no bairro, a estátua de Jean Vauquelin, na praça que tem seu nome e a cúpula do Marché Bonsecours

Parque Jean Drapeau

Este parque é bem grande e muito bem cuidado. Apesar de ser em uma ilha no Rio São Lourenço, dá para se chegar de metrô. Alguns pontos de interesse no parque são a Bioesphere (Museu do meio ambiente) e o circuito Gilles Villeneuve, mas além disso, tem muita área verde, lagos, um complexo aquático com piscina olímpica (mas este não é para os turistas) e até um cassino.
Parque Jean Drapeau - em sentido horário: Ponte sobre um dos vários lagos do parque, circuito Gilles Villeneuve, Rio São Lourenço, e a cúpula do Biosphere ao entardecer.
No parque, uma coisa muito bacana para se fazer é alugar uma bike, atravessar a ponte sobre o Rio São Lourenço e percorrer o circuito Gilles Villeneuve! Fora da temporada de Formula 1, a pista fica aberta para treino de ciclismo.

Centro comercial

Outro lugar que visitamos rapidinho, antes de partir para Québec, foi a Catedral Marie-Reine-du-Monde, pertinho da Rue Saint Catherine, a rua das compras!! Também fizemos algumas comprinhas nesta rua e visitamos alguns pontos da "cidade subterrânea", mas bem rapidamente, já que era verão.
Rua Saint Catherine - boa para fazer algumas comprinhas!

A tal cidade subterrânea, concentra um grande número de galerias conectadas com os pontos do metrô. Há shoppings, cafeterias, restaurantes, mercados de comida, agências de banco...


Biodome

Acabamos por não conhecer esta atração, que é uma espécie de estufa enorme que simula ecossistemas das américas, como a floresta tropical e a floresta laurentiana (da região do Québec). O prédio foi construído para sediar jogos olímpicos em 1976. Seria até viável, mas não quisemos fazer nada com pressa, pois, afinal o Léo tinha 3 anos e era sua primeira viagem internacional (não quisemos judiar do menino!!!). Se quiser se informar, consulte o site! Além do Biodome, para os amantes da natureza ou ciências, em Montreal existem também um jardim botânico, insetário e planetário!


Como se locomover:

A maioria dos pontos turísticos podem ser visitados a partir do ônibus hop on hop off. Mas escolhemos uma ou duas regiões para fazer a cada dia e nos locomovemos de metrô ou táxi e também caminhamos muito. Outra forma bacana para se conhecer a cidade, se não estiver com criança, é de bicicleta. É possível alugar por horas ou dias e devolver em pontos diferentes da cidade.


Onde se hospedar

Nos hospedamos no University Bed and Breakfast pertinho da Mc Gill University, no Plateau Mont Royal. O nosso quarto era uma espécie de Kitchenete. Tinha uma mini-cozinha, que possibilitou fazer refeições simples para o Léo. Ainda bem que o prato preferido dele era (ainda é..) macarrão na manteiga e ovos mexidos. Gostamos bastante. Aliás, o Canadá tem uma tradição forte de hospedagem em Bed and Breakfast e dá para procurar hospedagem em todo o país aqui. Qualquer que seja sua opção, é bacana ficar no centro ou no bairro em que ficamos.
Se desejar fazer sua reserva pelo booking, faça através de nosso blog. Você não pagará nada a mais e nós ganharemos uma pequena comissão. É só seguir este link aqui ou clicar no banner:

Espero que tenha gostado e que o post te ajude a planejar uma viagem para Montreal!!! Se tiver dúvidas ou dicas, deixe um comentário!

E aí, já curtiu nossa página no facebook? Segue nosso Instagram? Passe lá!!!!
Assine nosso feed! Assim você fica por dentro de nossas postagens!

Nenhum comentário

Trilhas e Cantos. Tecnologia do Blogger.
Topo